Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

Lula Assinou Lei Para Encobrir Roubo do Dinheiro Público


Transcrito da Folha de São Paulo.

Pela reportagem abaixo transcrita, podemos ver que Luiz Inácio Lula da Silva cometeu crime de peculato, crime de ofício, ao assinar uma lei que beneficiava os que desviavam recursos públicos para Marcos Valério.

Este em contra partida enviava parte do dinheiro roubado do povo brasileiro para o PT que utilizava estes recursos para a compra de votos de deputados e para o enriquecimento ilícito de muitos.

Lula deveria estar no banco dos réus. Não está por um ato de covardia do Procurador Geral da União e da Oposição.

Luiz Inácio Lula da Silva deveria ser trancafiado em uma cela de segurança máxima e a chave jogada fora.

Nunca na história deste país um presidente da república e um partido político roubaram tanto do povo brasileiro.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, afirmou ontem em plenário que um projeto de lei foi alterado propositalmente para influenciar o julgamento do mensalão e beneficiar alguns dos réus.

Para o ministro, a manobra "é um atentado veemente, desabrido, escancarado" à Constituição. A declaração refere-se à lei 12.232, sancionada pelo então presidente Lula em 2010.

O texto trata da contratação de publicidade por órgãos públicos e durante sua tramitação na Câmara foi alterado por deputados do PT e do PR, partidos que têm membros entre os réus.

Britto diz que a redação "foi intencionalmente maquinada" para legitimar ação pela qual réus eram acusados.

O episódio citado começou em 2008, quando o ex-deputado e hoje ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), apresentou o projeto.

Ele regulava, entre outras coisas, os repasses do "bônus-volume", que são comissões que as agências recebem das empresas de comunicação como incentivo pelos anúncios veiculados.

No processo do mensalão, o Ministério Público acusou empresa de Marcos Valério Fernandes de Souza de ficar com R$ 2,9 milhões de bônus que deveriam ser devolvidos para o Banco do Brasil, contratante da empresa.

A acusação diz que o dinheiro foi desviado para abastecer o esquema de compra de votos no Congresso.

A proposta original de Cardoso permitia que as agências ficassem com o bônus, mas era clara: a lei só valeria para contratos futuros.

Uma mudança feita na Comissão de Trabalho em 2008, porém, estendeu a regra a contratos já finalizados.

O relator do projeto na comissão foi o deputado Milton Monti (SP), do PR, partido envolvido no mensalão e que tem um dos seus principais dirigentes, o deputado Valdemar da Costa Neto, como réu.

Durante a discussão, o então deputado Paulo Rocha (PT-PA), também réu no caso do mensalão, pediu uma semana para analisar o texto.

Logo depois, Monti abriu prazo para emenda. O deputado petista Cláudio Vignatti (SC) apresentou sugestões, entre elas a que estendia a aplicação da lei a licitações abertas e contratos em execução. Monti não só acatou a sugestão como incluiu os contratos encerrados.

O texto seguiu a tramitação e virou lei, que foi usada em julho pelo Tribunal de Contas da União para validar a ação de Valério de ficar com os R$ 2,9 milhões. A decisão, porém, está suspensa.

Ontem Ayres Britto disse que a mudança no projeto de lei é "desconcertante". "Um trampo, me permita a coloquialidade, à função legislativa do Estado."

OUTRO LADO
Milton Monti (PR-SP) e Cláudio Vignatti (PT-SC) negam relação entre a alteração na lei e o julgamento.

Vignatti disse que sugeriu mudanças a pedido de Monti para atender a frente parlamentar da comunicação social, presidida por Monti. "Não tive intenção de prejudicar ou beneficiar alguém."

Monti confirmou que a mudança no texto foi pedida pelo setor de publicidade, porque as agências já retinham o bônus-volume: "Era uso e costume. O foi que foi feito antes estava errado? Então foi botado na lei".

Dalto Pastore, ex-presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade, afirmou que a entidade pediu que a nova lei também atingisse contratos anteriores.
(RUBENS VALENTE, NÁDIA GUERLENDA, LEANDRO COLON, FELIPE SELIGMAN, FLÁVIO FERREIRA E MÁRCIO FALCÃO)
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 10:43
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2012

As Provas do Mensalão

Relator do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Joaquim Barbosa indicou nesta quinta-feira que o Banco Rural simulou empréstimos para favorecer o PT e as agências do empresário Marcos Valério.


A avaliação foi feita durante análise do segundo dos sete itens da denúncia do mensalão que investiga se houve gestão fraudulenta de quatro réus ligados à cúpula do Banco Rural que compõem o chamado núcleo financeiro da denúncia. Fonte: Folha.com

Fica cada vez mais difícil para Luiz Inácio Lula da Silva e seus comparsas continuarem com a história da Carochinha de que o mensalão não existiu.

A história contada por João Paulo Cunha de que tinha recebido R$50.000,00 de Delúbio Soares para pagar dívidas de campanha provou-se falso.

Afinal de contas o dinheiro veio diretamente de Marcos Valério, não passou pela conta do PT, não foi contabilizado pelo PT, João Paulo Cunha não declarou o recebimento deste dinheiro em sua declaração de renda nem deu recibo ao PT.

Além disto, se fosse dinheiro honesto teria sido depositado na conta de João Paulo e não retirado em especie. João Paulo não deu recibo ao PT pelo recebimento desta importância.

Portanto está mais que provado que este dinheiro vem de fonte escusa, com a finalidade de gratificar a João Paulo por ter paga a Marcos Valério por trabalho não realizado.

Novamente dinheiro público foi desviado para o PT.

Roubo puro e simples.

Ou o Brasil acaba com o  PT ou o PT acaba com o Brasil.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 20:54
link | comentar | favorito

As Provas do Mensalão

Relator do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Joaquim Barbosa indicou nesta quinta-feira que o Banco Rural simulou empréstimos para favorecer o PT e as agências do empresário Marcos Valério.


A avaliação foi feita durante análise do segundo dos sete itens da denúncia do mensalão que investiga se houve gestão fraudulenta de quatro réus ligados à cúpula do Banco Rural que compõem o chamado núcleo financeiro da denúncia. Fonte: Folha.com

Fica cada vez mais difícil para Luiz Inácio Lula da Silva e seus comparsas continuarem com a história da Carochinha de que o mensalão não existiu.

A história contada por João Paulo Cunha de que tinha recebido R$50.000,00 de Delúbio Soares para pagar dívidas de campanha provou-se falso.

Afinal de contas o dinheiro veio diretamente de Marcos Valério, não passou pela conta do PT, não foi contabilizado pelo PT, João Paulo Cunha não declarou o recebimento deste dinheiro em sua declaração de renda nem deu recibo ao PT.

Além disto, se fosse dinheiro honesto teria sido depositado na conta de João Paulo e não retirado em especie. João Paulo não deu recibo ao PT pelo recebimento desta importância.

Portanto está mais que provado que este dinheiro vem de fonte escusa, com a finalidade de gratificar a João Paulo por ter paga a Marcos Valério por trabalho não realizado.

Novamente dinheiro público foi desviado para o PT.

Roubo puro e simples.

Ou o Brasil acaba com o  PT ou o PT acaba com o Brasil.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 20:54
link | comentar | favorito

As Provas do Mensalão

Relator do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), o ministro Joaquim Barbosa indicou nesta quinta-feira que o Banco Rural simulou empréstimos para favorecer o PT e as agências do empresário Marcos Valério.


A avaliação foi feita durante análise do segundo dos sete itens da denúncia do mensalão que investiga se houve gestão fraudulenta de quatro réus ligados à cúpula do Banco Rural que compõem o chamado núcleo financeiro da denúncia. Fonte: Folha.com

Fica cada vez mais difícil para Luiz Inácio Lula da Silva e seus comparsas continuarem com a história da Carochinha de que o mensalão não existiu.

A história contada por João Paulo Cunha de que tinha recebido R$50.000,00 de Delúbio Soares para pagar dívidas de campanha provou-se falso.

Afinal de contas o dinheiro veio diretamente de Marcos Valério, não passou pela conta do PT, não foi contabilizado pelo PT, João Paulo Cunha não declarou o recebimento deste dinheiro em sua declaração de renda nem deu recibo ao PT.

Além disto, se fosse dinheiro honesto teria sido depositado na conta de João Paulo e não retirado em especie. João Paulo não deu recibo ao PT pelo recebimento desta importância.

Portanto está mais que provado que este dinheiro vem de fonte escusa, com a finalidade de gratificar a João Paulo por ter paga a Marcos Valério por trabalho não realizado.

Novamente dinheiro público foi desviado para o PT.

Roubo puro e simples.

Ou o Brasil acaba com o  PT ou o PT acaba com o Brasil.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 20:54
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. O PT está destruindo a ec...

. Agora a responsabilidade ...

. Dilma Rousseff mente

. Este será o futuro do Bra...

. Canção do Médico Cubano

. PROGRAMA MINHA CASA MINHA...

. Brasil cria 1,1 milhão de...

. A economia brasileira con...

. O PT está destruindo o qu...

. Falta de amor ao próximo

.arquivos

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds