Terça-feira, 31 de Março de 2009

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

31 de Março de 1964

Vivi esta época. Jovem, saindo do segundo grau para a Universidade.

Era uma época de guerra. Guerra do Vietnam onde milhares de pessoas estavam morrendo de ambos os lados.

Uma época que em Cuba, qualquer palavra contra o governo de Castro Significava o Paredon, a morte por manifestar qualquer opinião contra a barbárie.

Anos antes haviamos presenciado o massacre da Hungria que lutava por liberdade, por tanques russos. Depois veio a Polonia.

Na Alemanha, dividida pelo Muro da Vergonha, qualquer tentativa de fuga era morte certa para os que tentavam alcançar a liberdade e não tinham sucesso.

A guerra fria também nos contaminou no Brasil. As ligas camponesas de Francisco Julião eram o MST de hoje. Diversas outras organizações trabalhavam pela implantação do Socialismo Soviético no Brasil.

Não podemos olhar aquela época com os olhos de hoje. A realidade era totalmente diferente.

Na faculdade o patrulhamento ideológico existiu durante todo o regime militar, e até mesmo antes deste. Qualquer estudante que se manifestasse contra a UNE era punido pelos integrantes daquela organização.

Houve erros e excessos.

Não podemos no entanto condenar somente as Forças Armadas Brasileiras como culpadas pelos excessos. Não podemos nos esquecer de que muitos inocentes morreram vítimas dos atentados terroristas da esquerda.

Hoje as vítimas do governo da época são compensados e exaltadas. As vítimas dos terroristas de esquerda estão esquecidas.

Quem lutava contra os esquerdistas, apesar de estar lutando ao lado de um regime de excessão, lutava por um ideal de democracia e liberdade. Lutava por um Brasil onde reinasse, mais cedo ou mais tarde, uma verdadeira democracia.

O foco e o ideal da esquerda naquela época era o regime Cubano, Soviético, Socialista.

O foco dos que apoiavam os militares era a democracia e a liberdade.

Não havia neutralidade. Ou se era pró Socialista ou Pró Democracia. Infelizmente hoje no Brasil e na América do Sul se tenta voltar aos dias sombrios dos anos 60, na tentativa de se implantar aqui um novo Socialismo a la Fidel Castro, onde nossas liberdades e nossa democracia são mais uma vez ameaçados.

Mas hoje sabemos que nossa luta deverá ser no campo da educação e das ideias. Por isto a lei deve ser imposta para os que tentam, através da força, subjugar a nação. Movimentos como o MST devem ser contidos para que nosso país não se envolva em uma guerra civil.

O que é certo é que não aceitaremos nunca um regime Socialista Cubano em nossa pátria.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 15:26
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

...

Nossos sinceros agradecimentos ao Stenio do Antiforo de São Paulo pela honrosa homenagem.

Dentro do mesmo espírito, indicamos também para a homenagem, criadapor Clauzewitz, para os seguintes blogs:

1. Blog da União Nacional Republicana
2. kamia-mera...mia mera...kápote!
3. Fora Apedeuta!
4. Star SaSa
5. Aguas Cotidianas
6. A Casa da Mãe Joana
7. RESISTÊNCIA E LIBERDADE
8. Novo Blog do Ferra Mula
9.NACIONALISTA
10MOVCC

Há muitos outros que merecem a homenagem, e que por falha minha não estão sendo citados. Mil desculpas pelo lapso.
publicado por Brasil Liberdade e Democracia às 14:51
link | comentar | ver comentários (6) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. O PT está destruindo a ec...

. Agora a responsabilidade ...

. Dilma Rousseff mente

. Este será o futuro do Bra...

. Canção do Médico Cubano

. PROGRAMA MINHA CASA MINHA...

. Brasil cria 1,1 milhão de...

. A economia brasileira con...

. O PT está destruindo o qu...

. Falta de amor ao próximo

.arquivos

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds